Arquivo

Posts Tagged ‘mercúrio’

TÉCNICA – Conheça e conserte os reatores eletrônicos das fluorescentes

10 de outubro de 2013 113 comentários
Figura 1 – Placas de circuito impresso de reatores eletrônicos de fluorescentes.

Figura 1 – Placas de circuito impresso de reatores eletrônicos de fluorescentes.

O aparecimento dos reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes é relativamente recente. Utilizados primeiramente nas fluorescentes tubulares, logo depois foram incorporados às lâmpadas fluorescentes compactas (LFC). 

Hoje, estão extremamente difundidos e encontrar um reator convencional (eletromagnético), feito de ferro-silício e cobre, é muito difícil. Pretendo neste post mostrar o princípio de funcionamento destes circuitos, que são um tipo específico de fonte chaveada. Também serão analisados diversos modelos de reatores eletrônicos encontrados no comércio, assim como fornecidas dicas para sua manutenção, com base na experiência adquirida.

Leia mais…

AS LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PODEM DANIFICAR A PELE?

6 de outubro de 2013 6 comentários

Lâmpada fluorescente compacta espiralada, cor branco frio, ligada.

As lâmpadas fluorescentes compactas (LFCs), muitas vezes relacionadas como uma alternativa ecológica às incandescentes, podem causar danos à pele, de acordo com um novo estudo realizado na Universidade Stony Brook, NY, Estados Unidos.

Leia mais…

LÂMPADAS II – Qual é a lâmpada menos danosa ao ambiente – a incandescente ou a fluorescente?

4 de janeiro de 2013 11 comentários
Figura 1 – Lâmpada fluorescente compacta de 20 W, desmontada e separada por peças.

Figura 1 – Lâmpada fluorescente compacta de 20 W, desmontada e separada por peças.

Fala-se muito que a lâmpada fluorescente compacta – LFC – é ambientalmente mais sustentável do que as lâmpadas incandescentes. É um conceito repetido incansavelmente, como um mantra, sem muitas explicações, focando sempre no resultado da conta de energia.

Mas para afirmar que um tipo é mais econômico que outro, deveriam ser analisadas todas as etapas de produção de cada lâmpada, não só o consumo mensal. No final, a energia consumida pela lâmpada no tempo de vida estimado, somada àquela necessária para fabricá-la, poderá indicar que a economia não é tão boa assim.

O problema é que muitos analisam apenas o efeito imediato da mudança. O resultado mais visível é uma pequena alteração no valor da conta do mês. O custo para comprar o produto muitas vezes não é considerado, e ele pode ser impactante se a lâmpada não durar tanto quanto diz. O que, aliás, é bem comum.

Leia mais…