Arquivo

Arquivo do Autor

MANUAL DE RETÓRICA PERVERSA

28 de setembro de 2022 Deixe um comentário

ou COMO VENCER QUALQUER DISCUSSÃO


A Escola de Atenas, afresco de Rafael Sanzio. Fonte: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Escola_de_Atenas

Você certamente já presenciou um debate no qual a pessoa com a razão tenha perdido de seu adversário.

Talvez pela dificuldade de expressar bem as suas ideias, mas geralmente o que acontece é que o opositor está munido de técnicas para vencer qualquer confronto de palavras, mesmo que não possua um pingo de razão.

Essas técnicas apelam para a emoção, elas apontam para o teu fígado ou teu coração, não a tua mente. Em vez de raciocinar, afloram os sentimentos, para desestabilizar.

São técnicas utilizadas em todo lugar, principalmente por políticos, comerciantes e publicitários. Você mesmo pode tê-las empregado alguma vez, sem saber.

Faz algum tempo que encontrei na internet um texto que sintetiza essas técnicas de confronto. O autor é desconhecido, mas provavelmente tenha sido escrito no Chile, por causa das referências implícitas. Traduzi e coloco à disposição de todos.

Retórica é um modo de você dizer uma frase simples com vários parágrafos de enfeite, com o claro intuito de persuadir. Agora, imagine usar isso de maneira vil.

Junto com a retórica, aparece também a falácia, que é uma mentira que parece verdade. Ela pode ter pontos verdadeiros, mas sua conclusão é falsa.

Mesmo que esse Manual lhe revolte o estômago, como fez comigo, considero ele útil para aprendermos a reconhecer o uso dessas técnicas, de modo a não sermos iludidos nem passados para trás por gente de lábia afiada.

Materiais adicionais para consulta:

[1] Intelectuais, Cultura e Política – Albert Hirschmann – A retórica da intransigência –

[2] 100 nexos – Como vencer um debate (sem ter razão) –

[3] Medium – Jeferson Silva – A arte de iludir pessoas – Como se prevenir –

https://medium.com/@blogdojsilva/a-arte-de-iludir-e-como-se-prevenir-efd1a62840be

Rádio Elétrica – Ouça!

18 de maio de 2022 3 comentários

Katia Suman – Foto de Guilherme Santos / Sul21

Quer uma rádio sem comerciais nem papo furado? OUÇA a Rádio Elétrica, com programação variada, ótima e às vezes inesperada, pois toca rock, pop, jazz, blues, MPB, samba, etc.. Seleção de músicas feita manualmente por Katia Suman, a comunicadora que marcou indelevelmente a história da cultura em Porto Alegre/RS. O endereço é:

https://radioeletrica.com/

Tem o app Rádio Elétrica para celular, que pode ser baixado na Apple Store ou no Google Play.

As únicas interrupções no repertório são pequenas vinhetas de alguns segundos, que mostram o estilo da rádio ou pedem auxílio para mantê-la no ar. Se puder, ajude-a pelo link:

https://apoia.se/radioeletrica

Se você é eclético em suas preferências musicais, certamente gostará de ouvir a Rádio Elétrica. Poderá dar de cara com Banda do Mar, Jorge Ben Jor, Lauryn Hill, Anelis Assupmção, Grace Jones, Marku Ribas, AC/DC, Carmen Miranda, Fito Páez, Grupo Rumo, Cesaria Évora, Beyoncé, Paulinho da Viola, Bee Gees, Tom Zé, David Bowie, Gilberto Gil, Charly Garcia, Tim Maia, Frank Zappa, Caetano Veloso, Rod Stewart, Erasmo Carlos, Prince, Elis Regina, Paul Mcartney (e Beatles), Ná Ozetti, Chico Science, Stevie Ray Vaughan, Luiz Melodia, The Monkees, Belchior, Gotam Project, Ana Cañas, Wes Montgomery, Egberto Gismonti, George Benson, Paralamas do Sucesso, Horace Silver, Emílio Santiago, Brandford Marsalis, Titãs, Jimmy Smith, Chico Buarque, BB King, Roupa Nova, Stevie Wonder, O Terço, The Trammps, Sérgio Sampaio, James Brown, Nei Lisboa, James Hunter, Cascavelettes, Delvon Lamar Organ Trio, TNT, Chaka Kan, Cachorro Grande, Bob Dylan, Ultramen, Mercedes Sosa, Kid Abelha, Madonna, IRA!, Aretha Franklin, Nelson Coelho de Castro, JJ Cale, Cazuza, Ramones, Capital Inicial, Club des Belugas, Legião Urbana, Tom Waits, Taranatiriça, Nina Simone, Elza Soares, Norah Jones, Bezerra da Silva, Simply Red, Itamar Assumpção, Toots & The Maytals, Paulinho da Viola, Bob Marley, Bebel Gilberto, Michael Jackson, Ney Matogrosso, Astor Piazzola, Adriana Calcanhoto, Arctic Monkeys, Djavan, The Replacements, Hermeto Paschoal, Queen, Raul Seixas, Dire Straits, Marisa Monte, Joss Stone, Trio Mocotó, Me’Shell Ndegeocello, Pixinguinha, Lianne La Havas, Luiz Gonzaga e muitos, muitos, mas MUITOS outros.

Nas terças-feiras à noite tem o Sarau Elétrico, um evento já tradicional em Porto Alegre, transmitido a partir do bar Ocidente. Foi criado para celebrar a palavra escrita de modo bastante informal, sem academicismo [1]. Os apresentadores leem trechos que acham interessantes para o assunto em pauta, fala-se de qualquer coisa, sem tabus e às vezes com muitas risadas. Ao final, tem a canja ao vivo de alguém convidado. O sarau costuma acontecer das 21h às 22h, é gravado em podcast e disponibilizado depois no site da própria rádio. Podemos assistir ao sarau no Youtube, no canal da Katia:

https://www.youtube.com/katiasuman25

Vale a pena conhecer a Rádio Elétrica, para sair do marasmo musical imposto pelos algoritmos. Este é o ponto central: algoritmos de seleção musical são montados com fins comerciais, para repetir o que já foi ouvido (se ouviu, é porque gostou…) ou para destacar quem paga melhor, não são feitos para desafiar, nem realmente entreter o ouvinte.

Ou, mal comparando, você concorda com aquele e-mail de ofertas da loja que continua lhe oferecendo o produto já comprado?

Além disso, conhecer músicas de diversos estilos e origens nos torna mais críticos com o que ouvimos, porque formamos uma visão musical com parâmetros mais exigentes, coisa muito difícil de acontecer para quem está amarrado a algum canal de mídia fortemente segmentado. A segmentação reforça a intolerância musical. Daí vem a importância de ter pessoas que realmente entendam do riscado para fazer tal seleção.

Quem é Katia Suman

De minha parte, Katia Suman é aquela voz agradável, aveludada e preciosa que preenchia a noite porto-alegrense nos idos de 1980 e 90, quando sintonizávamos a então imperdível Rádio Ipanema FM. Trazia uma seleção musical primorosa, dava dicas de cinema, teatro e livros, fazia ótimas entrevistas, de repente uma banda recém formada tocava ao vivo, havia muita coisa inesperada, nova e cativante.

Segundo a editora Besouro Box, Katia Suman é “radialista, graduada em Ciências Sociais, com Mestrado em Comunicação e Doutorado em Letras. Trabalhou durante quase 20 anos na Ipanema FM, tendo passagens também pela FM Cultura e Unisinos FM. Em televisão, fez “Folharada Ipanema na TV”, na Band; “Crônicas do tempo”, na TVE e “Camarote”, na TVCOM. Criou em 1999 o evento Sarau Elétrico, que, desde então, faz parte do calendário cultural da cidade de Porto Alegre. Desde 2010, mantém a rádio web radioeletrica.com, emissora independente com programação voltada ao debate, à literatura e a boa música. Ativista da cidade participou do coletivo “Cais Mauá de Todos” e preside a Associação Amigos do Cais do Porto. Seu livro foi finalista dos Prêmios Açorianos de Literatura e Minuano/IEL, edição 2019.”

O livro de Katia Suman “Os diários secretos da Ipanema FM” relata as peripécias do dia-a-dia da rádio, tendo como referência os cadernos de comunicação usados para passar informações entre os radialistas. Cada locutor fazia o próprio programa, não havia roteiro pré-definido ou lista de músicas para tocar. Você poderá comprar o livro na Estante Virtual [2], por exemplo.

Se quiser conhecê-la melhor, há várias entrevistas na internet, uma bem interessante foi publicada no jornal Sul21 [3] e no blog do livreiro e tradutor Milton Ribeiro (NÃO É ex-ministro!!) [4], acesse-a AQUI ou AQUI.

Um detalhe sobre a Ipanema FM é a semelhança com sua irmã, a “maldita” Fluminense FM, de Niteroi, RJ, também nos mesmos 94.9 MHz. Ambas marcaram a cena musical dos anos 80 e 90 em suas respectivas regiões e ajudaram a impulsionar o rock nacional. A Ipanema foi mais que isso, ela sacudiu todas as formas de cultura na capital, com toques de rebeldia, novidade e liberdade.

Katia também fez uma interessante dissertação de mestrado em Ciências da Comunicação, pela Unisinos [5], onde destrinchou a esquema do jabá em 3 rádios FM. Jabá é o “agrado” que as gravadoras oferecem aos meios de comunicação, para tocarem mais (ou somente) as composições escolhidas para fazer sucesso (as chamadas “músicas de trabalho”). Ou você pensa que o sucesso das canções é sempre determinado pelo público? Leia o trabalho dela AQUI.

Não que hoje tenha melhorado muito isso, pois as empresas se adaptam. Apesar da internet democratizar o acesso a um infinito repertório, os serviços online de divulgação musical podem não ter um artista antigo, ou aquele que faz sucesso somente na sua região, nem a versão que você mais gosta de uma música e muito menos lhe apresentar algo diferente do que costuma ouvir.

Sabe aquelas viseiras que colocam nos cavalos, para que olhem somente para frente? Pois é.

E as rádios online podem sofrer na mão dos provedores de internet: cada qual opera um cache de internet (não é cachê), uma reserva temporária de memória que guarda páginas web recentemente carregadas, para não ter que repetir o acesso ao endereço original e que pode, em tese, gravar horas de programação de uma determinada rádio e reproduzir essa sequência em certas ocasiões. O objetivo seria reduzir custos (diminuir o tráfego de dados) através de software inteligente. Com isso, o ouvinte não perceberia interrupções da programação, mas teria a impressão de um fraco repertório, o que poderia inviabilizar a audiência das pequenas emissoras. O descompasso entre a playlist e a música que está em execução no momento pode ser um reflexo disso.

Vai lá na Rádio Elétrica, ouça e deleite-se!

Referências

[1] Dana – Entrevistas – Katia Suman – https://dana.com.br/social/entrevistas/katia-suman/

[2] Estante Virtual – Katia Suman e os diários secretos da rádio Ipanema FM – https://www.estantevirtual.com.br/ludylivros/katia-suman-katia-suman-e-os-diarios-secretos-da-radio-ipanema-fm-2531990865?show_suggestion=0

[3] Sul21 – Katia Suman relembra papel da Ipanema em relação ao rock e garante: liberdade era total – https://sul21.com.br/entrevistasz_areazero/2015/05/katia-suman-relembra-papel-da-ipanema-em-relacao-ao-rock-e-garante-liberdade-era-total/

[4] Milton Ribeiro – Katia Suman relembra papel da Ipanema em relação ao rock e garante: liberdade era total – https://miltonribeiro.ars.blog.br/2018/03/07/katia-suman-relembra-papel-da-ipanema-em-relacao-ao-rock-e-garante-liberdade-era-total/

[5] Unisinos – Repositório – Dissertação de mestrado de Katia Suman – O jabá no rádio FM: Atlântida, Jovem Pan e Pop Rock – http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/2613

O mundo das campainhas, buzinas e sirenes – Parte 3/3

22 de março de 2022 2 comentários

Fig. 66 – À esquerda, fragmento natural de quartzo incolor (cristal de rocha), à direita o sal de La Rochelle. Fonte da imagem do sal de Rochelle: Science Notes [105].

Fig. 66 – À esquerda, fragmento natural de quartzo incolor (cristal de rocha), à direita o sal de La Rochelle. Fonte da imagem do sal de Rochelle: Science Notes [105].

Nesta terceira e última parte sobre os dispositivos de alerta sonoro, tratamos do efeito piezoelétrico e as imensas possibilidades de uso,. Saiba diferenciar os sonorizadores piezoelétricos dos eletromagnéticos, os cuidados para projetar e montar o seu sonorizador.

Aprenda também como funciona a campainha detectora de raios, e a influência do barulho em nossas vidas.

Resumo

## Parte 1 (link)

Introdução

O eletroímã

O mercúrio nas conexões

O surgimento da campainha elétrica

Johann Philipp Wagner (1799-1879)

As faíscas no Martelo de Wagner

A buzina elétrica

A buzina GENTIL

A buzina de “300 dB”

## Parte 2 (link)

Buzinas a ar

Alarmes contra desastres

Sirenes eletromecânicas

Cigarras e campainhas elétricas comerciais

A campainha dos telefones de disco

Tecnologias semelhantes à da cigarra

Campainha de dois tons (din-dom)

A sirene eletrônica

Circuitos práticos de sirenes eletrônicas

## Parte 3

Piezoeletricidade

Compreenda o efeito piezoelétrico

Materiais piezoelétricos e suas aplicações

Sonorizador piezoelétrico

Manipulação e dicas para projeto de sonorizadores piezoelétricos

Circuitos de acionamento

Sonorizador eletromagnético

Como diferenciar o buzzer piezoelétrico do eletromagnético

Buzzers autônomos

A campainha detectora de raios

O barulho e nossos ouvidos

Referências

Leia mais…

O mundo das campainhas, buzinas e sirenes – Parte 2/3

26 de janeiro de 2022 3 comentários
Fig. 31 – Foto extraída do artigo “PRF prende caminhoneiro que isolou parte do sistema de freios”. Fonte: Blog do Caminhoneiro [48].

Conheça o barulhento mundo dos dispositivos de alerta sonoro. Nesta segunda parte, são abordadas as buzinas a ar (inclusive as utilizadas pelos trens e navios), os sistemas de alertas contra calamidades, as tradicionais sirenes eletromecânicas, as cigarras elétricas, as campainhas de telefones e a campainha din-dom.

Também destrinchamos a sirene eletrônica e mostramos alguns circuitos práticos.

Leia mais…

O mundo das campainhas, buzinas e sirenes – Parte 1/3

23 de dezembro de 2021 3 comentários
Fig. 1 – Esboço das entranhas de uma campainha de dois tons (din-dom ou ding-dong).
Fig. 1 – Esboço das entranhas de uma campainha de dois tons (din-dom ou ding-dong).

Conheça o barulhento mundo dos dispositivos de alerta sonoro.

Compreenda o funcionamento da campainha din-dom (fig. 1), da campainha dos antigos telefones de disco, da cigarra elétrica, das sirenes mecânicas, das diversas buzinas para veículos, trens e navios, do Martelo de Wagner e daqueles sinalizadores sonoros, ligados na marcha a ré de ônibus, caminhões e máquinas operatrizes. Conheça os sistemas de alarme preventivo de calamidades.

Monte o seu sonorizador, com pastilha piezoelétrica ou com o buzzer eletromagnético. Saiba reconhecer as diferenças entre eles.

Leia mais…

DICA – Quando a raquete mata-mosquitos vibra

18 de janeiro de 2021 12 comentários

Fig. 1 – Raquete mata-mosquitos parcialmente desmontada.

Fig. 1 – Raquete mata-mosquitos parcialmente desmontada.

Se a raquete mata-mosquitos zumbe e vibra ao acionar o botão e às vezes funciona, outras vezes não, leia esta dica, pode ser um problema bem fácil de resolver.

Ocorre também da raquete ligar normalmente, às vezes até matar algum mosquito, mas não fazer mais aquele estalo típico, nem aparecer a faísca. Saiba como resolver este inconveniente.

Já abordei as raquetes mata-mosquitos em artigo recente no Dicas do Zébio. Aquele post detalha o funcionamento do circuito, como testar os diodos de alta-tensão (AT), as falhas que podem ocorrer na parte eletrônica, a troca do transformador e até como atualizar a raquete, com a instalação de uma pilha de lítio 18650, recarregável por USB. Acesse o texto por AQUI.

Leia mais…

O Natal de 2020

22 de dezembro de 2020 2 comentários

Antigas bolas de Natal, feitas de vidro colorido e espelhado.

Antigas bolas de Natal, feitas de vidro colorido e espelhado.

Que ano! Todos tivemos muitas dificuldades, em razão do confinamento causado pela pandemia.

Mas, estamos em plenas Boas Festas, 2021 está chegando aí e precisamos espairecer.

Descobri por esses dias uma bela canção de Natal, diferente das mesmas de sempre. Não é nova, essa música já tem mais de 30 anos e fez sucesso na Europa dos anos 1980. Por aqui, jamais tocou.

Leia mais…

DICA – Lanterna LED em capacete

27 de outubro de 2020 5 comentários

Fig. 1 – Lanterna LED para cabeça, adaptada em capacete.

Fig. 1 – Lanterna LED para cabeça, adaptada em capacete.

Às vezes, precisamos lidar na penumbra ou na escuridão com a ajuda de uma lanterna. Mas, ocupar uma das mãos com ela atrapalha qualquer serviço.

A solução é uma lanterna de cabeça, que seja fácil de usar. Consegui isso ao adaptar um modelo LED em capacete de segurança, alimentado por pilha de lítio recarregável e substituível. É o assunto deste artigo.

Aproveite para conhecer um circuito simples e eficiente de controle de corrente para LEDs, que funciona com ampla faixa de tensões.

Leia mais…

TÉCNICA – Nikon Coolpix 3200 com pilha de lítio + pilha falsa

1 de julho de 2020 3 comentários

Fig. 1 – Nikon Coolpix 3200, com o compartimento das pilhas aberto.

Fig. 1 – Nikon Coolpix 3200, com o compartimento das pilhas aberto.

Minha primeira máquina fotográfica digital foi esta NIKON Coolpix 3200, que comprei usada. Gosto muito dela, porque apesar de não ser HD é econômica e tira excelentes fotos em close-up.

De uns tempos para cá, a Nikonzinha começou a reclamar de pilhas fracas, mesmo quando novas. Como as pilhas AA de NimH ou mesmo alcalinas de boa qualidade são escassas e caras no Brasil, resolvi adaptar uma pilha recarregável de lítio de 3,7V. Mostro neste artigo como fazer isso. Aproveite também para informar-se melhor sobre as pilhas de lítio.

Leia mais…

Músicas para enlevar

11 de junho de 2020 Deixe um comentário

A internet, às vezes, pode ser muito chata, devido à segmentação, que é o ato deliberado de separar, classificar qualquer coisa em caixinhas. Por exemplo, os diversos estilos musicais.

Leia mais…