Arquivo

Posts Tagged ‘música’

Músicas para enlevar

11 de junho de 2020 Deixe um comentário

A internet, às vezes, pode ser muito chata, devido à segmentação, que é o ato deliberado de separar, classificar qualquer coisa em caixinhas. Por exemplo, os diversos estilos musicais.

Sou contra a segmentação, porque dirigir, separar e escolher de antemão o que uma pessoa deve gostar, ver ou comprar, significa que alguém pensa por ela. Aos poucos, reduzem o universo de escolha e diminuem a quantidade de opções, sem realmente dar lugar para o diferente.

Como determinar que aquele que gosta de música popular nunca desejará rock, blues, bossa nova, nem um grande instrumentista? Como saber se alguém poderia gostar da kalimba, sem nunca tê-la ouvido? Experiências sensoriais devem ser variadas e sempre incentivadas, como acontece na Natureza. Afinal, diversidade não é somente preferência sexual. E música não é só esse gritedo sintetizado que se houve hoje em dia.

Se não fosse a segmentação:

– Teríamos canais com verdadeira liberdade, onde poderíamos ter contato com coisas agradáveis e que não esperamos;

As músicas seriam muito mais variadas e realmente motivadoras da cultura, e não esse desfile de estrangeirismos e obscenidades, como se a vida fosse só isso;

Os concursos musicais poderiam revelar verdadeiros talentos, em vez de iludir, pois hoje dependem da preferência do contratante e dos ajustes corretos do afinador e vibrato automáticos;

O caldo cultural resultante seria bastante heterogêneo e formaria uma sociedade com maior bom senso, o que dificultaria a existência de extremismos;

Seríamos mais críticos com o que nos é oferecido, fossem produtos de consumo, entretenimento ou serviços públicos.

Tudo passa pela segmentação. A grande mídia vive disso.

Quando a informação vem sempre com o mesmo viés, todo enfoque diferente tende a parecer falso. É assunto já estudado há tempos, sabe-se muito bem que isso faz aumentar o sectarismo – sectário é alguém intolerante, defensor obstinado de qualquer sistema. E chega-se ao ódio. Por enquanto, só com palavras. Está ficando perigoso.

Precisamos libertar-nos de certas amarras. A música é excelente para isso, e por isso mesmo é tão controlada. Digamos que você queira ouvir algo para lhe enlevar. Enlevo é encantamento, arrebatamento, êxtase. Existe algum lugar que classifica música assim, sem que lhe mande para uma lista gospel? Não, porque estão mais atentos ao modo dos músicos tocarem, em vez dos efeitos que a música produz. Por isso que há sons que se tornam clássicos, pois ao longo dos anos só se confirma a qualidade do trabalho. Obras de longa vida não interessam comercialmente, o que se quer é músicas consumíveis, que sejam vendidas e trocadas a todo momento. Porque música boa também pode despertar desejos, como a vontade de ter uma vida menos miserável.

Esta é minha primeira playlist, bem curtinha – somente 11 músicas – que intenta encantar aquele que a ouvir. Se puder, curta num horário tranquilo e silencioso, talvez à noite. São quatro excelentes artistas, que não aparecem facilmente por aí. O que eles têm em comum é sua competência, são muito bons no que fazem.

A primeira música é de Noa, uma cantora israelense que regravou a música tema do filme “A vida é bela”, de Roberto Benigni e inseriu uma bela letra, criada por ela e Gil Dor. Aquele vocal, dá arrepios e vontade de cantar junto… O vídeo também é um primor, com os lindos desenhos em areia de Ilana Yahav.

Depois, conheça uma gata, literalmente, porque toca guitarra com as unhas: Lianne La Havas, inglesa de sangue grego e jamaicano. Além do vocal gostoso, a quantidade de harmonias que essa menina tira do instrumento, sem olhar, é impressionante, tem uma penca de músicas legais como Au Cinéma, No Room for Doubt, What You Don’t Do, Tokyo e Wonderful.

Você já imaginou um pianista que se apresenta em público de roupão e pantufas? Ele pode, é o gênio canadense Chilly Gonzales, que vive na Alemanha. Ouça a maravilhosa Rideaux Lunaires (Cortinas de sonho, em tradução livre). Na fábrica de pianos Steinway & Sons, em Hamburgo, ele tocou outra linda melodia: White Keys. No palco, interpretou visceralmente a música Orégano, até imaginei-me polvilhando uma pizza… Chilly Gonzales é o cara que andou dando uma mão para o grupo Daft Punk, famoso pela ótima música Get Lucky. No Youtube você encontra também uma hilária “batalha” dele com o pianista Jean Francoise Ziegel.

Por último, o baterista italiano Aldo Romano, que já foi roqueiro e hoje toca jazz. Dele vem duas músicas absolutamente maravilhosas: Viso di Donna (Rosto de mulher) e Anno Bom (Ano bom – foi em 2014, não agora…).

Delicie-se!!

\ep/

Arte é isso III

29 de outubro de 2017 Deixe um comentário
Banda Pata de Elefante

Banda Pata de Elefante

Vamos desopilar, novamente! Deixo um pouco de lado a eletrônica (estou acabando dois artigos), porque preciso espairecer. Trago uma banda que conheci há pouco tempo, apesar de parecer que ela faz parte de mim desde sempre.

Leia mais…

ARTE é isso II

2 de outubro de 2017 Deixe um comentário
Figura 1 – Zé do Caroço, ao centro. Fonte: Documentário "A Voz do Pau da Bandeira" [1].

Figura 1 – Zé do Caroço, ao centro. Fonte: Documentário “A Voz do Pau da Bandeira” [1].

Nesses tempos em que se criam automaticamente letras de músicas através de programas de computador [2] [3] [4], precisamos mostrar o que pode ser considerado como ARTE. Tem um samba de Leci Brandão que é fantástico: Zé do Caroço. Ainda mais quando ouvido na voz de Seu Jorge, que reduziu o andamento e valorizou toda a beleza e potência da letra:

Zé do Caroço existiu mesmo, viveu até 2003. Era o policial aposentado José Mendes da Silva (figura 1, ao centro) e morou a partir de 1958 no morro do Pau da Bandeira, ao lado do Morro dos Macacos, na Vila Isabel, Rio de Janeiro. Recebeu o apelido devido aos nódulos (caroços) que tinha nas juntas, por causa de um tipo de reumatismo, por isso que se aposentou cedo.

Leia mais…

ARTE é isso

18 de setembro de 2017 Deixe um comentário

Em tempos de tantas dúvidas sobre o que é arte, além de músicas em cujos shows só falta exibir sexo explícito – porque as letras já sugerem – é interessante relembrar o que pode ser feito quando se tem algo importante a dizer.

Pungente. É a palavra que melhor define este vídeo de Melody Gardot, Preacherman (pregador, padre, etc.). A música e o vídeo formam uma potente sinergia, que deixa cada tom de voz, cada riff de guitarra no lugar certo, é impressionante.

 

É um tributo de Melody Gardot ao legado de Emmett Till, um menino de 14 anos que em 28 de agosto de 1955 foi cruelmente assassinado, no Mississipi. O menino teria flertado com uma jovem branca. O vídeo foi lançado em 2015, 60 anos depois da morte de Emmett, quando muitos questionavam a ação da polícia americana, que comprovadamente mata negros em percentuais superiores ao seu peso demográfico. Em 2014, a população de Ferguson rebelara-se contra isso, devido a outra morte estúpida.

A profunda natureza de nossa existência é o que nos habilita, a qualquer momento, a conectar com qualquer pessoa, em qualquer lugar. A história está aí para nos lembrar até onde chegamos, todos os dias nossa jornada é continuar com esse progresso de nos tornarmos mais sábios, mais compassivos e mais seres humanos. Relembrar Emmett através da música é uma forma de frisar às pessoas que não há necessidade de continuar com crimes sem sentido. Raça e racismo não andam de mãos dadas. Nós somos somente uma raça: humana –diz Melody Gardot.

Melody Gardot passou a dedicar-se à música como forma de suplantar as dores e as sequelas de um terrível acidente, aos 19 anos, atropelada enquanto andava de bicicleta. O traumatismo craniano causou perda de memória e de capacidades básicas, como andar e falar, que teve de reaprender. O acidente também causou hipersensibilidade ao som e fotossensibilidade (ela não tolera luz, anda sempre de óculos escuros), além de vertigem cinética, obrigando-a ao uso de bengala.

A música é que a ajudou a atravessar aqueles dolorosos dias. Nosso Herbert Vianna que o diga.

Para conhecer mais a cantora e compositora, que trafega entre o jazz, soul, bossa nova, etc. – ela já veio várias vezes ao Brasil – a página oficial é: http://melodygardot.co.uk/

Uma excelente resenha da música Preacherman está no Pancakes and Whiskey (Panquecas e Uísque): http://pancakesandwhiskey.com/2015/06/04/melody-gardot-releases-a-powerful-must-see-video-for-preacherman/

O perfil dela na Wikipédia portuguesa: https://pt.wikipedia.org/wiki/Melody_Gardot

E uma entrevista em português: http://www.carloscalado.com.br/2009/07/melody-gardot-um-modo-tragico-de-virar.html

\ep/