Anúncios
Início > Manutenção, Tecnologia, Vivendo > DICA – Transforme plugues redondos para o padrão NBR

DICA – Transforme plugues redondos para o padrão NBR


Figura 1 - Plugue padrão CEE 7/17, de pinos grossos, antes e depois da modificação.

Figura 1 – Plugue padrão CEE 7/17, de pinos grossos, antes e depois da modificação.

Que tal converter o plugue padrão CEE 7/17 em plugue NBR de 20A? Ou o plugue CEE 7/16 em NBR 10A? É muito fácil. Leia neste artigo como fazer isso e conheça melhor os padrões IEC. Esta dica vale para os aparelhos com o plugue de dois pinos, de plástico macio moldado no cabo (sem parafusos de remoção) e sem conexão de aterramento, como o da figura acima, à esquerda.

Há uma série de equipamentos que trabalham na temperatura ambiente e não necessitam de aterramento, pois são isolados (isolação Classe II ou dupla isolação). É o caso dos televisores, furadeiras e outras ferramentas elétricas, aspiradores, liquidificadores, ventiladores, fogões de indução, etc..

Eles são vendidos com plugues de dois pinos. Caso o aparelho tenha sido comprado no Uruguai, Europa ou Ásia, é muito provável que ele venha com um plugue padrão CEE 7/16 ou CEE 7/17. Ambos tem os pinos com as dimensões dos plugues brasileiros, mas o formato do plugue pode torná-los incompatíveis com as novas tomadas NBR. Os códigos dos plugues são oriundos da IEC.

A IEC (International Electrotechnical Commission – Comissão Eletrotécnica Internacional), que tem como objetivo padronizar mundialmente os plugues e tomadas, criou o Sistema de Testes de Conformidade e Certificação de Equipamentos e Componentes Eletrotécnicos, mais conhecido como CEE (Certification of Electrotechnical Equipment). Historicamente, as tentativas de normatização vem desde 1929, com a iniciativa do instituto alemão VDE (Verband der Elektrotechnik, Elektronik und Informationstechnik).

Figura 2 – Plugue CEE 7/16 I (Europlug), de formato hexagonal, totalmente compatível com as tomadas brasileiras, mesmo as antigas.

Figura 2 – Plugue CEE 7/16 I (Europlug), de formato hexagonal, totalmente compatível com as tomadas brasileiras, mesmo as antigas.

Figura 3 – Plugue CEE 7/16 II, com proteção para evitar choques. Note que não há o trecho isolante nos pinos. É um velho plugue, compatível só com as antigas tomadas brasileiras (tipo C), sem o poço de 1cm, oriundo da norma NBR 14136. É compatível também com as tomadas E e F, que têm um poço redondo.

Figura 3 – Plugue CEE 7/16 II, com proteção para evitar choques. Note que não há o trecho isolante nos pinos. É um velho plugue, compatível só com as antigas tomadas brasileiras (tipo C), sem o poço de 1cm, oriundo da norma NBR 14136. É compatível também com as tomadas E e F, que têm um poço redondo.

Figura 4 – Acima, plugues CEE 7/7 e CEE 7/17; abaixo, tomadas CEE 7/3 (tipo F, alemão, conhecido como Schucko) e CEE 7/5 (tipo E, francês). Fonte: Digital Museum of Plugs and Sockets [1].

Figura 4 – Acima, plugues CEE 7/7 e CEE 7/17; abaixo, tomadas CEE 7/3 (tipo F, alemão, conhecido como Schucko) e CEE 7/5 (tipo E, francês). Fonte: Digital Museum of Plugs and Sockets [1].

O plugue padrão CEE 7/16 tem dois suptipos. A alternativa I é o famoso Europlug, cujo formato hexagonal é bem conhecido dos brasileiros (figura 2). Apesar dos pinos de 4mm aguentarem até 10A (quando maciços), o Europlug só vai até 2,5A. Ele encaixa nas tomadas tipo C, E, F e é totalmente compatível com o padrão NBR 14136 (tomadas tipo N).

A alternativa II do padrão CEE 7/16 é um plugue bem parecido, que tem um anteparo de formato circular (figura 3). Esta espécie de chapéu serve para dificultar os choques elétricos – já que os pinos não tem o trecho isolante -, mas impede a compatibilidade com o padrão NBR de plugues e tomadas.

Os furos existentes nas abas possibilitam o encaixe nas tomadas francesas, que tem um pino terra saliente (CEE 7/5 ou tipo E) e nas tomadas alemãs (CEE 7/3 ou tipo F), que tem 2 linguetas de aterramento simétricas, nas paredes da tomada (figura 4). A tomada F (mais conhecida como Schucko) é o padrão de alta corrente na maior parte do mundo (Europa, Ásia e até no vizinho Uruguai).

Os equipamentos que consomem acima de 500W (mais de 2,5A, em média) trazem o plugue padrão CEE 7/17, que aguenta corrente máxima de 16A (em 250VCA) e tem pinos de 4,8mm de diâmetro. Este plugue sempre vem com o anteparo isolante redondo (figura 4, no canto superior direito – é o mesmo da figura 1) e só é compatível com as tomadas E e F.

Os plugues CEE 7/16 e 7/17, quando moldados no cabo de alimentação, são de plástico e podem ser cortados no formato hexagonal, para compatibilizar com o padrão NBR. Já fiz várias vezes esta alteração e nunca tive problemas, pois a fiação fica longe das áreas externas do plugue. Também não foi percebida maior fragilidade mecânica.

O que deve ficar claro é que a mudança destina-se a aproveitar os plugues que vieram com os aparelhos, para usá-los nas tomadas padrão NBR, especialmente aqueles de pinos mais grossos, muito comuns no exterior atualmente.

Por exemplo, um lençol térmico sul-coreano (figuras 5 e 6), de apenas 130W, vem com plugue hexagonal, com pinos de 4,8mm! Ele não precisa do chapéu do plugue CEE 7/17, porque os pinos tem o trecho isolante, portanto é totalmente compatível com nossas tomadas de 20A.

Figura 5 – Lençol térmico sul-coreano, comprado em 2012 naquele país, com plugue compatível com as tomadas brasileiras de 20A.

Figura 5 – Lençol térmico sul-coreano, comprado em 2012 naquele país, com plugue compatível com as tomadas brasileiras de 20A.

Figura 6 – Plugue do lençol térmico coreano, onde o paquímetro mede o pino de 4,8mm.

Figura 6 – Plugue do lençol térmico coreano, onde o paquímetro mede o pino de 4,8mm.

Ilustro a seguir três modificações de plugues, duas delas em equipamentos novos, comprados em 2016/17 no Uruguai: um fogão de indução de origem chinesa (marca Majestic), com potência de 2000W e um multiprocessador Philips, com 650 W (figuras 7 a 31). Estes vieram com plugues CEE 7/17.

A terceira modificação foi no plugue de um aspirador Electrolux da década de 1980, ou anterior. Este plugue é de 10A (CEE 7/16 II, com pinos de 4mm) e era encontrado facilmente em equipamentos oriundos de fabricantes europeus, pois era compatível com o padrão brasileiro da época (2 pinos redondos, tomada tipo C). Neste caso, o formato hexagonal do plugue (figuras 32 a 39) e a moldagem num só tipo de plástico facilitou o corte.

ATENÇÃO: o uso de ferramenta de corte deve ser feito com extrema cautela, pois a força exercida é exagerada e poderá causar sérios ferimentos. O plugue deve SEMPRE estar apoiado numa superfície firme, de madeira, que possa sofrer estragos. E o fio de corte da ferramenta deve SEMPRE apontar sua face cortante para longe do corpo do operador.

A remoção da aba é feita com estilete, canivete ou faca, bem afiado. Observe que a aba pode ter uma alma de plástico rígido, mais difícil de cortar, como é possível perceber nas figuras abaixo. Por isso, por vezes será melhor usar uma serrinha para metais. Após o corte é só fazer o acabamento, eliminando as imperfeições e rebarbas com um esmeril ou lixa.

Figura 7 – Fogão de indução Majestic, de 2000W, com plugue CEE 7/17, de pinos grossos.

Figura 7 – Fogão de indução Majestic, de 2000W, com plugue CEE 7/17, de pinos grossos.

Figura 8 – Vista superior do plugue CEE 7/17 do fogão, antes da modificação.

Figura 8 – Vista superior do plugue CEE 7/17 do fogão, antes da modificação.

Figura 9 – Frente do plugue CEE 7/17 do fogão, indicando os limites de tensão e corrente (16A/250VCA).

Figura 9 – Frente do plugue CEE 7/17 do fogão, indicando os limites de tensão e corrente (16A/250VCA).

Figura 10 – Vista traseira do plugue CEE 7/17 do fogão de indução.

Figura 10 – Vista traseira do plugue CEE 7/17 do fogão de indução.

Figura 11 – Corte da aba I.

Figura 11 – Corte da aba I.

Figura 12 – Corte da aba II.

Figura 12 – Corte da aba II.

Figura 13 – Demonstração do corte do anteparo plástico. Note que as mãos estão afastadas da lâmina do estilete, que está sendo forçado para baixo, em direção à tábua. Neste caso, aplicando mais força foi possível cortar com o estilete o plástico rígido interno.

Figura 13 – Demonstração do corte do anteparo plástico. Note que as mãos estão afastadas da lâmina do estilete, que está sendo forçado para baixo, em direção à tábua. Neste caso, aplicando mais força foi possível cortar com o estilete o plástico rígido interno.

Figura 14 – Anteparo cortado, pronto para o acabamento hexagonal.

Figura 14 – Anteparo cortado, pronto para o acabamento hexagonal.

Figura 15 – Compare esta imagem com a figura 9.

Figura 15 – Compare esta imagem com a figura 9.

Figura 16 – Plugue pronto.

Figura 16 – Plugue pronto.

Figura 17 - Teste de inserção em módulo de tomada NBR de 20A.

Figura 17 – Teste de inserção em módulo de tomada NBR de 20A.

Figura 18 - Inserindo...

Figura 18 – Inserindo…

Figura 19 - Feito!

Figura 19 – Feito!

Figura 20 - Multiprocessador Philips, com plugue CEE 7/17.

Figura 20 – Multiprocessador Philips, com plugue CEE 7/17.

Figura 21 – Vista traseira do plugue CEE 7/17 do multiprocessador.

Figura 21 – Vista traseira do plugue CEE 7/17 do multiprocessador.

Figura 22 – Plugue do multiprocessador encaixado em tomada Schucko uruguaia. Observe as linguetas do terra, à mostra.

Figura 22 – Plugue do multiprocessador encaixado em tomada Schucko uruguaia. Observe as linguetas do terra, à mostra.

Figura 23 – Vista lateral do plugue CEE 7/17 do multiprocessador.

Figura 24 – A seta mostra o plástico rígido que forma o esqueleto interno do plugue CEE 7/17. Não foi possível cortá-lo, era muito duro para o estilete, poderia quebrar a lâmina. Daí...

Figura 24 – A seta mostra o plástico rígido que forma o esqueleto interno do plugue CEE 7/17. Não foi possível cortá-lo, era muito duro para o estilete, poderia quebrar a lâmina. Daí…

Figura 25 – ... a solução foi serrar manualmente o plugue, apesar de não ficar lá muito alinhado o corte, pois a serra desviou...

Figura 25 – … a solução foi serrar manualmente o plugue, apesar de não ficar lá muito alinhado o corte, pois a serra desviou…

Figura 26 – Plugue CEE 7/17 do multiprocessador, pronto para o acabamento.

Figura 26 – Plugue CEE 7/17 do multiprocessador, pronto para o acabamento.

Figura 27 – Vista frontal do plugue CEE 7/17 do multiprocessador, quase sem rebarbas. Há um certo desalinhamento...

Figura 27 – Vista frontal do plugue CEE 7/17 do multiprocessador, quase sem rebarbas. Há um certo desalinhamento…

Figura 28 – Vista lateral do plugue CEE 7/17 o multiprocessador, finalizado.

Figura 28 – Vista lateral do plugue CEE 7/17 o multiprocessador, finalizado.

Figura 29 – Vamos ao teste de inserção!

Figura 29 – Vamos ao teste de inserção!

Figura 30 - Até aqui, tudo bem. O plugue foi inserido até o ponto em que ainda não faz contato elétrico. É possível notar que não há espaço para alguém colocar o dedo nos pinos.

Figura 30 – Até aqui, tudo bem. O plugue foi inserido até o ponto em que ainda não faz contato elétrico. É possível notar que não há espaço para alguém colocar o dedo nos pinos.

Figura 31 – Feito!

Figura 31 – Feito!

Figura 32 – Aspirador Electrolux de 750W, da década de 1970 ou 1980. Cuide o formado do plugue sobre o aparelho.

Figura 32 – Aspirador Electrolux de 750W, da década de 1970 ou 1980. Cuide o formado do plugue sobre o aparelho.

Figura 33 – Vista superior do plugue CEE 7/16 do aspirador Electrolux.

Figura 33 – Vista superior do plugue CEE 7/16 do aspirador Electrolux.

Figura 34 - Vista traseira do plugue CEE 7/16 do aspirador.

Figura 34 – Vista traseira do plugue CEE 7/16 do aspirador.

Figura 35 – Vista frontal do plugue CEE 7/16. Na época, os selos de certificação não eram comuns...

Figura 35 – Vista frontal do plugue CEE 7/16. Na época, os selos de certificação não eram comuns…

Figura 36 – Plugue CEE 7/16 junto dos pedaços removidos.

Figura 36 – Plugue CEE 7/16 junto dos pedaços removidos.

Figura 37 – Vista frontal do plugue CEE 7/16 do aspirador, após o corte das abas.

Figura 37 – Vista frontal do plugue CEE 7/16 do aspirador, após o corte das abas.

Figura 38 – Vista lateral do plugue CEE 7/16 do aspirador, após o corte das abas.

Figura 38 – Vista lateral do plugue CEE 7/16 do aspirador, após o corte das abas.

Figura 39 – Vista superior do plugue CEE 7/16 do aspirador, após o corte das abas.

Figura 39 – Vista superior do plugue CEE 7/16 do aspirador, após o corte das abas.

OBSERVAÇÃO: Caso você esteja inseguro(a) ou seja impossível fazer a modificação, peço que troque o plugue. Evite o uso de adaptador, pois ele poderá causar incêndio, se o consumo do aparelho for alto. Tratei deste assunto em um artigo anterior (acesse AQUI).

Recomendo a troca do plugue em vez de usar adaptador, primeiro porque os aparelhos comprados no exterior não têm nenhuma espécie de garantia pós-venda. E depois, porque adaptadores decentes, como este da figura 40, ainda não vi por estas bandas.

Figura 40 – Adaptador de plugue Schucko para o padrão do Reino unido. Fonte: Power Connections [2].

Figura 40 – Adaptador de plugue Schucko para o padrão do Reino unido. Fonte: Power Connections [2].

Para quem desejar aprofundar-se no assunto dos plugues e tomadas, uma excelente fonte de consulta é o Museu Digital dos Plugues e Tomadas (Digital Museum of Plugs and Sockets), mantido pelo holandês Oof Oud. O museu mostra com muitas ilustrações a evolução das conexões elétricas domésticas, inclusive tem uma página sobre a norma internacional IEC 60906-1 [3], que foi seguida em parte pela NBR 14136 (que implantou o atual padrão de plugues e tomadas brasileiros). Há também uma página sobre o padrão brasileiro. Uma visão geral do site está na referência [4]. Na Wikipedia [5] tem uma lista dos plugues e tomadas utilizados no mundo, vale a pena conhecer. E quem quiser conhecer melhor o padrão NBR14136, visite este meu post (AQUI).

Referências

[1] Digital Museum of Plugs and Sockets – CEE 7/7 and CEE 7/17 standard Hybrid French – Schucko plugs – http://www.plugsocketmuseum.nl/EFhybrid.html

[2] Power Connections – Non-earth Schucko to UK converter plug (SCP)http://www.powerconnections.co.uk/convert_eurotouk_scp.htm

[3] Digital Museum of Plugs and Sockets – IEC 60906-1 – Standard household plug – http://www.plugsocketmuseum.nl/IEC60906-1.html

[4] Digital Museum of Plugs and Sockets – Overview http://www.plugsocketmuseum.nl/Overview.html

[5] Wikipédia – Eletricidade doméstica por país – https://pt.wikipedia.org/wiki/Eletricidade_dom%C3%A9stica_por_pa%C3%ADs

\ep/

Anúncios
  1. MAURI
    17 de agosto de 2017 às 14:55

    Muito bom. Obrigado.

  2. ismarrussano
    17 de agosto de 2017 às 09:19

    Muito bom !!! Eu sempre troco os plugs para o novo padrão e incentivo, aos poucos as pessoas irem trocando as tomadas de parede para o novo padrão, respeitando já as potencias, no caso os secadores de cabelo que vêm com plugs de 20A.

    • 18 de agosto de 2017 às 00:02

      É isso aí, Ismar, o novo padrão é muito mais seguro, pois evita os choques elétricos que eram frequentes com os padrões antigos. E se respeitarem os requisitos de corrente, certamente serão evitados muitos incêndios.

  1. No trackbacks yet.

Colabore para melhorar este texto

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: